Crédito: Freepik.com

Uso de dados será principal desafio na gestão de pessoas em 2024

Tecnologia no RH e os desafios da das empresas no ano que vem aborda a importância das ferramentas de ponta na gestão de talentos
Lidar com o excesso de dados gerados a partir do uso de inteligência artificial será um dos principais desafios para o RH no ano que vem. Esta é a expectativa de Fernando Ladeira, vice-presidente para soluções de gente da Falconi, maior consultoria de gestão empresarial e de pessoas da América Latina.

"O departamento de RH em uma empresa de médio ou grande porte tem entre 5 e 7 tecnologias para rodar seus processos. Isso gera uma quantidade massiva de dados, e os profissionais de RH estão travados em relação a fazer os sistemas conversarem entre si", resume Ladeira.

Esse é um dos efeitos da rápida digitalização do trabalho nos últimos anos, que aumentou a quantidade de tecnologias disponíveis. “Existem mais de 500 HR Techs no Brasil, desde o recrutamento e seleção, onboarding, passando pelo desenvolvimento de pessoas e remuneração, atuando em todos os subsistemas do RH. A especialização é uma tendência”, analisa.
Diante do aumento do uso de tecnologia nas empresas, outros dois movimentos não podem ser ignorados no RH segundo Ladeira: a substituição de parte das funções por soluções automatizadas, visando maior produtividade, e a consequente capacitação das pessoas em uma era com inteligência artificial abundante.
Além disso, Ladeira chama atenção para o olhar individualizado nas organizações. “Existe uma diversidade enorme de pensamentos e gerações coexistindo no mesmo ambiente de trabalho. Para os RHs, é cada vez mais difícil determinar qual é esta persona. Aí entram a tecnologia e os dados, e a gente ajuda as organizações a conectar os subsistemas do RH para, de fato, conhecer melhor os profissionais”, completa.
Segundo o executivo, o atendimento às necessidades individuais no ambiente corporativo promovido pela Falconi se baseia na divisão hierárquica das necessidades básicas humanas.

O modelo é, então, conectado com dados para que seja possível entender questões como o nível de engajamento e o senso de pertencimento à organização.  “Isso gera uma vantagem competitiva para as políticas de RH, que podem atuar de forma inteligente e personalizada”, finaliza Ladeira.

(Fonte – reportagem original publicada em Exame)

Compartilhe

Notícias relacionadas

TOP 6
Patex lança ecossistema de tokenização de Ativos Reais na América Latina
Nova infraestrutura blockchain promete transformar a economia regional e abrir portas para novos investimentos.A Patex,...
TOP 6
Banco BV passa a oferecer solução completa em Seguros para atacado
Parceria com Lockton possibilita a exploração de novos setores para concessão de créditoO banco BV,...
TOP 6
BTG Pactual será dealer da Circle no Brasil para distribuição de criptos
O objetivo é fazer mais parcerias, inclusive com desenvolvedoresPor Cláudia Mancini*A Circle, criadora do ecossistema...
TOP 6
Estudo aponta Itaú, Bradesco e Skol como marcas mais valiosas do Brasil
Drogasil, Porto, PagBank e Nubank apresentaram os maiores crescimentos do ranking, que teve ainda a...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top