Sua instituição está preparada para o PIX?

Sua instituição está preparada para o PIX?

Por Luiz Fernando Jardim*

Com previsão para entrar em operação ainda em novembro deste ano, as instituições financeiras estão na corrida para testes e adequações de seus sistemas.

A fase dos testes obrigatórios para as instituições que optaram ou necessitam participar do PIX – sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central – está em andamento e é uma das mais importantes para alertar sobre possíveis riscos e falhas de sistemas, que possam comprometer o seu pleno funcionamento daqui a alguns meses. 

Em junho, a iniciativa conquistou a adesão de quase mil prestadores de serviços de pagamentos (PSP), instituições financeiras (IF) e instituições de pagamentos (IP), sendo que cerca de 120 solicitaram participação direta na plataforma. O restante deve se conectar indiretamente, por meio de quem está ligado ao sistema. 

Para a integração, é preciso ter uma infraestrutura de conectividade de alta disponibilidade que siga as exigências de segurança e especificações do setor, além de um ambiente robusto para a hospedagem das aplicações desenvolvidas. O custo de investimentos com implantação, manutenção e gerenciamento especializado pode acabar sendo alto para quem optar por realizar internamente.

Desde que o PIX foi anunciado, diversas instituições buscaram fornecedores de tecnologia para atender aos requisitos do sistema, que facilitará a transferência de valores entre pessoas, empresas ou governos, funcionando 24 horas por dia, sete dias por semana.

A melhor forma de cumprir estas exigências é buscar um fornecedor que esteja inserido no ecossistema financeiro, de preferência com suporte específico, adequação às regulamentações e normas (compliance) e conectado aos principais órgãos necessários para o funcionamento de todo o mercado.

Outro fator importante a ser considerado neste momento é o reforço da segurança contra fraudes ou possíveis ciberataques, evitando vulnerabilidades no sistema. Com o PIX, as transações passarão a ser realizadas a qualquer momento do dia, isso exige que a instituição redobre sua atenção para a disponibilidade do serviço e segurança para garantir a proteção de seus dados e de seus clientes. Um monitoramento realizado por uma equipe especializada, por exemplo, é essencial, e um serviço anti-DDoS aplicado aos links de internet podem reforçar a proteção contra ataques de negação de serviço.

Estar preparado para se conectar ao PIX vai exigir que as empresas invistam em soluções inteligentes e em fornecedores qualificados para atender instituições financeiras. É o mais indicado para quem quer ter segurança e eficiência, sem perder o foco no que é mais importante para o negócio.

*Luiz Fernando Jardim é gerente de Produtos e Preços da RTM

Compartilhe

Notícias relacionadas

Blog
Mudança na natureza jurídica da ANPD fortalece aplicação da LGPD
Por Edilma Rodrigues A Medida Provisória (MPV) nº 1.124, de 13 de junho de 2022 assinada pelo...
Blog
Mercado Pago usa tecnologia de segurança da Mastercard para criptos
A carteira digital do Mercado Livre, o Mercado Pago, vai usar
Blog
Ant Group lança banco digital para micro, pequenas e médias empresas em Singapura
O ANEXT Bank, banco digital de atacado de Singapura e parte do Ant Group, anunciou...
Blog
Cetelem vai reduzir 6 mil toneladas de CO² com emissão de cartões reciclados
O Banco Cetelem Brasil emitiu cerca de 370 mil cartões de plástico reciclado, desde o...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top