O meio de pagamento deve variar para gerar a melhor experiência para cada cliente

O cartão de crédito e de débito de plástico é largamente utilizado e está disseminado na cultura de pagamento dos brasileiros. O diretor de meios de pagamento do Banco do Brasil, Rogério Panca, afirma que os volumes de transações são altamente representativos. “O plástico, débito e crédito, movimentou no ano passado R$1,2 trilhão,” pondera Panca. De todo modo, o que se quer “é melhorar a experiência para aquele cliente específico. O uso da tecnologia vai variar para atender cada tipo de cliente”.

O executivo explica que o primeiro cartão de crédito surgiu em 1950 e era de papelão. De lá para cá, vieram os POSs, o chip, contactless, smartphones e, em 2014, a introdução de wearables. No entanto, o dinheiro continua com força. Os saques em papel moeda superaram a casa de um trilhão de reais. O executivo afirma que a explicação é cultural, mas que existem muitos custos associados: logística, violência, impressão etc. “O desafio para os players é fazer um trabalho mais educativo de aculturamento, mas sempre observando qual meio é mais adequada para cada um”.

O diretor de produtos e pagamentos digitais do Itaú-Unibanco , Rubens Fogli, abriu sua fala comentando que há 20 anos, tempo que está no mercado financeiro, ele ouve dizer que o plástico vai acabar. “Não vai acabar nos próximos cinco anos” prevê. Fogli explicou também que as diversas tecnologias que suportam os pagamentos (Host Card Evaluation (HCE), Secure elemento (SE), QR Code, Digital Secure Remote Payments) vão pavimentar o pagamento digital. “O grande ponto é agregar benefícios para o cliente e para o lojista” avisa.

O CEO do Banco CBSS, Carlos Giovane Neves, fez um tour pelas tecnologias de pagamentos e soluções do banco como o Parcele, Digio Store e o Cartão Digio. Mas conclui dizendo que no futuro, gostaria de uma wallet com todos os dados financeiros de cada cartão ou de cada meio, o que inclui o programa de recompensas. Sobre a autenticação, como consumidor, Neves, desejaria sair apenas com o seu corpo e a Inteligência Artificial tomaria a decisão sobre qual é o melhor meio a ser utilizado.

Compartilhe

Notícias relacionadas

Blog
Mudança na natureza jurídica da ANPD fortalece aplicação da LGPD
Por Edilma Rodrigues A Medida Provisória (MPV) nº 1.124, de 13 de junho de 2022 assinada pelo...
Blog
Mercado Pago usa tecnologia de segurança da Mastercard para criptos
A carteira digital do Mercado Livre, o Mercado Pago, vai usar
Blog
Ant Group lança banco digital para micro, pequenas e médias empresas em Singapura
O ANEXT Bank, banco digital de atacado de Singapura e parte do Ant Group, anunciou...
Blog
Cetelem vai reduzir 6 mil toneladas de CO² com emissão de cartões reciclados
O Banco Cetelem Brasil emitiu cerca de 370 mil cartões de plástico reciclado, desde o...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top