nota6

LIFT Learning do BC insere alunos de graduação e mestrado ao ecossistema de inovação com apoio de fintech

Por Edilma Rodrigues

A fintech TransferHub ingressou este ano no LIFT (Laboratório de Inovações Financeiras Tecnológicas), coordenado pelo Banco Central, e foi uma das quatro empresas, juntamente com N26, Sicoob e bxblue, convidadas a participar da primeira edição do LIFT Learning, projeto da instituição para aproximar o meio acadêmico do ecossistema de inovação. Com formato colaborativo, a iniciativa terá mentorias especializadas e o desenvolvimento de soluções tecnológicas para o mercado financeiro. Cada uma das quatro selecionadas pelo BC vai propor desafios e liderar um grupo de 10 a 15 alunos – da graduação ao mestrado – na produção de protótipos.

Para o CEO do TransferHub, Rafael Mellem, é fundamental envolver os jovens em programas como esse, para que tenham interesse na área, adquiram conhecimento e participem da inovação disruptiva.

De acordo com a coordenadora técnica do LIFT Learning, Carla Rocha, para os estudantes é a chance de se aproximarem do universo das startups, com modelos de negócio, técnicas e questões específicas do segmento – que não são ensinados em sala de aula. “É um ciclo de aprendizado virtuoso, com interação de conhecimento e tecnologias e aumento da capacidade produtiva, em progressão crescente”, assinala a professora.

Durante os quatro meses de duração do programa, os alunos receberão bolsa de estudos e cada equipe terá o gerenciamento presencial e remoto da empresa orientadora – com profissionais de TI e executivos. “A proposta faz parte da agenda de desenvolvimento BC#, que visa a educação, o fomento à cultura de fintechs e o acesso às tecnologias. O intuito é que seja nacional e recorrente”, adianta o professor Ricardo Fernandes Paixão, gestor acadêmico da iniciativa, que é idealizada também por membros do LIFT, Fenasbac e Banco de Brasília.

Robô otimiza câmbio ao remover fator emocional

O desafio para os integrantes do time do TransferHub será um RoboTrader para operar o fechamento de câmbio Dólar/Real no mercado à vista. Com um sistema autônomo de operações usando algoritmos, a solução vai proporcionar ganho de tempo, independência e maior estabilidade nas taxas. “Ao remover o fator emocional das decisões, o usuário tem mais agilidade, limita os riscos e tem mais chances de aproveitar oportunidades”, diz Mellem. 

O protótipo resultante será apresentado no evento LIFT Day, em março 2020, em Brasília (DF), e será disponibilizado na fintech como ferramenta para empresas e indivíduos.

Ao mesmo tempo, o TransferHub também está incubado no laboratório de inovações financeiras e tecnológicas do Banco Central, o LIFT, onde está desenvolvendo o protótipo do aplicativo para operações casadas de câmbio voltado a pessoa física. Com mentorias e parceria tecnológica de grandes nomes como IBM, Microsoft, Oracle, AWS e Multiledgers, além do BC e da Fenasbac, a plataforma busca ganhar escala nos negócios. “Entramos de cabeça nesses programas para contribuir com soluções para o sistema financeiro nacional, de modo que o mercado de câmbio seja justo para todos”, diz Mellem.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhe

Notícias relacionadas

Blog
Mudança na natureza jurídica da ANPD fortalece aplicação da LGPD
Por Edilma Rodrigues A Medida Provisória (MPV) nº 1.124, de 13 de junho de 2022 assinada pelo...
Blog
Mercado Pago usa tecnologia de segurança da Mastercard para criptos
A carteira digital do Mercado Livre, o Mercado Pago, vai usar
Blog
Ant Group lança banco digital para micro, pequenas e médias empresas em Singapura
O ANEXT Bank, banco digital de atacado de Singapura e parte do Ant Group, anunciou...
Blog
Cetelem vai reduzir 6 mil toneladas de CO² com emissão de cartões reciclados
O Banco Cetelem Brasil emitiu cerca de 370 mil cartões de plástico reciclado, desde o...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top