nota6

Fintech lança microempréstimo para classes C e D

Por Edilma Rodrigues

A Ferratum, fintech fundada na Finlândia em 2005, que opera em 25 países e chegou ao Brasil em 2017, anuncia modelo de microempréstimo para as classes C e D. De acordo com o diretor-geral da empresa no País, Guy Levy, o formato criado é uma espécie de híbrido entre cheque especial e o rotativo do cartão de crédito. “O cliente tem o limite de crédito e usa como quiser,” comenta. A empresa tem uma taxa de 13,10% ao mês, percentual relacionado ao custo efetivo total (CET), que inclui juros e todas as tarifas da operação.

Segundo a empresa, o cadastro e análise são feitos em, no máximo, 15 minutos e o cliente tem acesso a um crédito de até R$ 3 mil. Esse valor fica disponível para saque e pode ser retirado de acordo com suas necessidades. E, conforme ele usa o dinheiro, pode parcelar os pagamentos em até 12 vezes. Ao optar por financiar a dívida original, como “a taxa de juros é fixa. CET 13,1% a.m. Se optar por pagar em duas ou em 12x dá na mesma,” explica a fintech, que acrescenta: “CET é diferente de juros mensais. Custo Efetivo Total inclui juros mensais, IOF e outros encargos. Alguns concorrentes disponibilizam somente juros mensais para mascarar o CET e você fica sabendo somente na assinatura do contrato que deverá pagar as famosas taxas escondidas.”

O formato de empréstimo atende demanda por crédito proveniente do endividamento das famílias brasileiras. “Medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o nível recorde de endividamento das famílias é de 62,4%, o maior percentual desde setembro de 2015, corrobora um estudo da consultoria britânica Kantar Worldpanel, segundo o qual a classe C gasta 5% a mais do que recebe todo mês, e a classe D, 6%,” argumenta a startup.

Além disso, um dos principais problemas percebidos pela equipe da Ferratum é que, no Brasil, grande parte da população é desassistida pelos bancos tradicionais ou enfrenta dificuldades para acessar empréstimos, mesmo de valores baixos. O executivo da fintech, assinala ainda que, atualmente, entre os clientes da empresa há um número significativo de pequenos empreendedores que precisam de recursos para manter o fluxo de caixa. “Há várias pessoas cujo limite de cheque especial fica abaixo dos R$ 500, o que não dá nenhuma flexibilidade para seu orçamento”, acrescenta.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhe

Notícias relacionadas

Blog
Mudança na natureza jurídica da ANPD fortalece aplicação da LGPD
Por Edilma Rodrigues A Medida Provisória (MPV) nº 1.124, de 13 de junho de 2022 assinada pelo...
Blog
Mercado Pago usa tecnologia de segurança da Mastercard para criptos
A carteira digital do Mercado Livre, o Mercado Pago, vai usar
Blog
Ant Group lança banco digital para micro, pequenas e médias empresas em Singapura
O ANEXT Bank, banco digital de atacado de Singapura e parte do Ant Group, anunciou...
Blog
Cetelem vai reduzir 6 mil toneladas de CO² com emissão de cartões reciclados
O Banco Cetelem Brasil emitiu cerca de 370 mil cartões de plástico reciclado, desde o...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top