Crédito: Canva

Edtechs crescem na América Latina e já são 15% dos negócios de impacto

Nos últimos anos, elas têm se posicionado como importantes agentes transformadores do cenário de educação global
Na América Latina, as edtechs já são quase 15% dos negócios que impactam a região, aliando-se à tecnologia para promover acesso a um número cada vez maior de pessoas e contribuir para a democratização do ensino de qualidade.
A informação é da Fundação Dom Cabral (FDC), que realizou um mapeamento inédito sobre o aumento do empreendedorismo latino-americano com impacto social. A partir de uma base de dados com mais de 2.380 empreendedores sociais de 25 países, a escola de educação executiva identificou que 57% das edtechs atuam no Brasil e 40% têm ramificações na Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, México, Paraguai e Peru.
Cerca de 40% das empresas da região atuam no modelo B2B, 30% no B2B2C e outros 30% estão dispersas entre o B2C, marketplace e P2P. As áreas de atuação são variadas, abrangendo desde empresas de ensino de idiomas e formação técnica até aquelas voltadas para o ensino de programação, educação financeira, apoio à educação básica e parcerias com organizações do terceiro setor. Em termos de faturamento, 25% das edtechs registram até R$ 10 mil por ano, 50% entre R$ 50 mil e R$ 500 mil, e outros 25% movimentam mais de R$ 500 mil. A maioria (65%) dos negócios têm 10 funcionários e 20%, entre 10 e 20 colaboradores.
Segundo a pesquisa, todas as edtechs da região atendem ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 4, da Organização das Nações Unidas (ONU). Ou seja, têm foco na Educação de Qualidade. Outras 85% têm ênfase no ODS 8 (Trabalho Decente e Desenvolvimento Econômico) e no ODS 10 (Redução das Desigualdades). 

“O desafio que as empresas nascentes do setor de Educação na América Latina enfrentam é muito semelhante. Basicamente, se concentram em prover infraestrutura e recursos tecnológicos de vanguarda para uso nas comunidades menos providas de recursos (periferias)”, afirma Fabian Salum, professor e líder da pesquisa pela Fundação Dom Cabral, em nota. Ele acrescenta que a qualidade do ensino, o corpo docente e as fontes de financiamento são fatores que impactam diretamente na capacidade de criar e capturar valor nas startups mapeadas no estudo.

Mercado em ascensão

Como um dos players de maior relevância no Brasil, a FDC cita o Alicerce Educação, startup de impacto social criada com a missão de levar educação de alta qualidade a um preço acessível para todas as idades. A proposta atraiu a Rise Ventures, que em meados de 2023 liderou a rodada série B da companhia, de R$ 40 milhões. No Chile, o destaque vai para a Two Dices Studios, que produz jogos para educação financeira com abordagem ética e contextual sob dinâmica lúdica de RPG.

“Os empreendedores sociais buscam solucionar problemas que não foram resolvidos por políticas públicas adequadas e que limitam o crescimento brasileiro e latino-americano. A pesquisa correlacionou o crescimento das startups de empreendedorismo social com a criação das 17 ODS estabelecidas pela ONU. Ou seja, com a divulgação da agenda global para a formulação e implementação de políticas públicas que guiarão a humanidade até 2030”, pontua Fabian.

O cenário das edtechs no mercado latino-americano se transformou de forma significativa na última década. Em 2009, os empreendedores sociais de todos os setores da economia representavam 2,4% do número de empreendedores da América Latina. Embora o percentual tenha caído nos anos seguintes, chegando a apenas 0,5% em 2011 e 2012, o setor recuperou o fôlego a partir de 2015, quando a taxa de criação de empresas com foco no empreendedorismo social chegou a 4,3%.
No ano seguinte, o volume desses negócios já representava 6,7% do total da região, saltando para 17,8% em 2018 e 19,4% em 2019. No entanto, depois veio uma nova queda. Os números alcançaram 16,8% em 2020, 11,1% em 2021 e 3,8% em 2022 – movimento atrelado principalmente aos efeitos negativos da pandemia de Covid-19. Com a recuperação, a expectativa é que este número volte a crescer nos próximos anos.
Nesse contexto, a Fundação Dom Cabral vem investigando empresas de empreendedores sociais, chegando a criar o Selo iImpact para reconhecer as melhores práticas geradoras de impacto positivo.  

(Fonte: Startups.com.br)

Compartilhe

Notícias relacionadas

Ponto de vista
O mundo está mudando e o Real também
Por Patricio Santelices, CEO da TecBanO Plano Real está caminhando para completar 30 anos e...
Ponto de vista
Revolução no setor financeiro alcança obrigações legais
Por Marcelo França, CEO da CelcoinNos últimos anos, o setor financeiro brasileiro tem passado por...
Exclusiva
IA generativa mantém Topaz na vanguarda e impulsiona abertura de capital
Em entrevista exclusiva, CEO Jorge Iglesias falou sobre a rápida evolução da tecnologia na empresa...
Exclusiva
Novas normas trazem ESG à contabilidade do ecossistema financeiro
Regulação define critérios para medição de riscos ambientais e sociais nas carteiras de crédito e...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top