nota3

Cashless: a extinção do dinheiro físico

Por Rafael Pimenta* 

Guardar cédulas e moedas embaixo do colchão deixou de ser – há muito tempo – uma opção. O consumidor moderno preza pela agilidade e praticidade que o dinheiro físico já não lhe garante, levando-o a recorrer cada vez mais para o uso contínuo instrumentos digitais. Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS), no terceiro trimestre de 2018, as compras realizadas com cartões de débito, crédito e pré-pagos cresceram cerca de 14,7% em comparação ao mesmo período do ano anterior. 

No entanto, a falta de confiança e incerteza que muitas pessoas possuem em relação aos meios de compra digitais resulta no insistente apego brasileiro pelas tradicionais moedas de troca. A cada ano são emitidas cada vez mais notas no país, e o Banco Central do Brasil já confirmou que pretende emitir em torno de 1,5 bilhão de novas cédulas em 2019, uma diferença de quase 0,3 bilhão desde o ano passado. Um dos motivos deste acréscimo está ligado à falsa impressão de que os pagamentos em dinheiro possuem zero taxas de serviços ao serem utilizados, fazendo com que as pessoas pensem estar desprendidas de tarifas como anuidade, taxa de saque, transferência, depósito, emissão de segunda via e outros. 

O grande problema quanto a este ponto é que para produzir dinheiro também é preciso gastar dinheiro. Em 2016, o órgão nacional vinculado ao Ministério da Economia informou que a produção de cada R$ 100,00 e R$ 50,00 custava em torno de R$ 0,25 centavos. O que significa que para imprimir 1 mil células, o gasto seria de R$ 250,00. Vendo estes custos como uma renda redutível, países como a Suécia, garantem extinguir a emissão do dinheiro físico até o fim da próxima década. Além disso, o governo sueco divulgou estar testando o uso de uma moeda digital nacional, a e-krona (coroa eletrônica), visando promover totalmente o reajuste em seu sistema econômico. 

Desta forma, vemos que as plataformas e sistemas digitais vêm se tornando os principais precursores de uma nova era. Não apenas por sua comodidade, mas – atualmente – a maioria dos digital banks oferecem isenção em grande parte das tarifas aplicadas ao seu uso. Estas são ferramentas que ajudarão a moldar o futuro das transações monetárias, reinventando os modelos de bancos que já conhecemos e trazendo diferentes benefícios. Um bom exemplo que chama a atenção do consumidor é o programa cashback, sistema que garante o retorno de seus gastos em forma de descontos e mimos, fidelizando o cliente. 

Sendo assim, é importante enxergar que existem diversas portas abertas para entrarmos em um mundo livre do papel-moeda e que, países como o Brasil, precisam estar dispostos a investir em soluções que se enquadram às necessidades atuais, ou seja, rápida, cômoda e eficiente. 

*Rafael Pimenta é fundador na RedLions Capital e coCEO na BTX Digital, grupo americano especializado em rebancarização de mercados que operacionaliza bancos digitais de nicho para empresas do middle market.

Compartilhe

Notícias relacionadas

Blog
Mudança na natureza jurídica da ANPD fortalece aplicação da LGPD
Por Edilma Rodrigues A Medida Provisória (MPV) nº 1.124, de 13 de junho de 2022 assinada pelo...
Blog
Mercado Pago usa tecnologia de segurança da Mastercard para criptos
A carteira digital do Mercado Livre, o Mercado Pago, vai usar
Blog
Ant Group lança banco digital para micro, pequenas e médias empresas em Singapura
O ANEXT Bank, banco digital de atacado de Singapura e parte do Ant Group, anunciou...
Blog
Cetelem vai reduzir 6 mil toneladas de CO² com emissão de cartões reciclados
O Banco Cetelem Brasil emitiu cerca de 370 mil cartões de plástico reciclado, desde o...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top