Crédito de: Correiobraziliense

BB negocia pela primeira vez créditos de carbono no mercado externo

Banco prende criar mesa de negociação específica para novo ativo
Pela primeira vez na história, o Banco do Brasil (BB) negociou créditos de carbono no mercado internacional. A operação ocorreu na semana passada, com a compra de 5 mil créditos de carbono para o Projeto Envira Amazônia, operado no mercado secundário pelo banco francês BNP Paribas, e a venda para o Standard Chartered Bank no exterior.
Segundo o BB, a transação piloto serviu de teste para validar o novo modelo de negócios da instituição. Com certificação pela Verra, o principal avaliador do mercado voluntário de carbono por meio de reduções de desmatamento e degradação, o Projeto Envira protege mais de 200 mil hectares da Floresta Amazônica. O projeto também tem o selo Clima, Comunidade e Biodiversidade (CCB), que certifica a destinação de parte dos créditos gerados em prol da comunidade local.
O BB pretende tornar-se referência na negociação de mercado de carbono, desde o desenvolvimento de projetos geradores de crédito até a compra e venda desses ativos. A instituição também quer oferecer assessoria para a realização de inventários de emissões de gases de efeito estufa. De acordo com o banco, os projetos apoiados pela instituição permitem preservar mais de 500 mil hectares de floresta nativa.

Expansão

Em 2022, o mercado global de créditos voluntários de carbono atingiu US$ 2 bilhões e deve crescer de forma exponencial nos próximos anos. No caso brasileiro, a consultoria WayCarbon, especializada no segmento, estima que o volume de negociações atinja US$ 20 bilhões até 2030.
Por meio do mercado de crédito de carbono, as empresas compensam a emissão de gases de efeito estufa. Cada empresa tem um determinado limite de emissões. As que emitem menos ficam com créditos, que podem ser vendidos àquelas que passaram do limite. O crédito de carbono equivale a uma tonelada de gás carbônico (CO2) ou de outros gases geradores de efeito estufa que deixaram de ser lançados na atmosfera.

As empresas também podem comprar créditos de carbono por meio do financiamento de projetos ambientais ou de desenvolvimento sustentável. Os mercados de carbono passaram a ganhar mais ênfase desde a assinatura por países da ONU, do Protocolo de Kyoto, em 1997.

(Fonte: Agência Brasil)

Compartilhe

Notícias relacionadas

TOP 6
Patex lança ecossistema de tokenização de Ativos Reais na América Latina
Nova infraestrutura blockchain promete transformar a economia regional e abrir portas para novos investimentos.A Patex,...
TOP 6
Banco BV passa a oferecer solução completa em Seguros para atacado
Parceria com Lockton possibilita a exploração de novos setores para concessão de créditoO banco BV,...
TOP 6
BTG Pactual será dealer da Circle no Brasil para distribuição de criptos
O objetivo é fazer mais parcerias, inclusive com desenvolvedoresPor Cláudia Mancini*A Circle, criadora do ecossistema...
TOP 6
Estudo aponta Itaú, Bradesco e Skol como marcas mais valiosas do Brasil
Drogasil, Porto, PagBank e Nubank apresentaram os maiores crescimentos do ranking, que teve ainda a...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top