Aumento da inadimplência faz seguros de Crédito disparar em 2023

Levantamento da CNseg aponta que até abril os seguros da modalidade avançaram 411,9% em indenização e 24,3% em arrecadação

O setor segurador registrou, no primeiro quadrimestre de 2023, crescimento acelerado dos seguros de crédito, se comparado com o mesmo período de 2022. O resultado foi apontado no levantamento produzido pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg) e divulgado na semana passada.
Um dos destaques ficou com a maior exposição da população ao risco de crédito, o que impulsionou a demanda pelo produto em 24,3%, com mais de 740 milhões de reais arrecadados, avanço que foi acompanhado pelo aumento de 411,9% nas indenizações, com aproximadamente 1 bilhão de reais pago aos segurados. Entre janeiro e abril deste ano, considerando todos os ramos e segmentos, menos a Saúde Suplementar, as indenizações subiram 2,2%, chegando ao patamar de R$ 77,2 bilhões, enquanto a demanda cresceu 8,6%, atingindo R$ 117,4 bilhões.
Para o presidente da CNSeg, Dyogo Oliveira, as indenizações foram impulsionadas por eventos de crédito recentes que contavam com a proteção do seguro. “Pelo lado da demanda, esses mesmos eventos geram uma maior busca por proteção. Isso, aliado ao fato de que a manutenção da taxa de juros em patamar elevado tende a aumentar a inadimplência, compõe o cenário de maior procura pelo produto”, diz.
Os seguros de Crédito têm o objetivo reduzir o risco de operações de crédito, garantindo ao credor, aquele que cede recursos, o ressarcimento da operação definida no contrato de seguro, que será feito pela seguradora, caso ocorra inadimplência, por parte do devedor. O produto pode ser utilizado tanto para operações realizadas no território nacional quanto para operações financeiras destinadas à exportação, no entanto, a pessoa física ou jurídica que contratar o seguro deve estar domiciliada no Brasil.
Dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostram que, em abril de 2023, a parcela de inadimplentes aumentou, saindo de 28,6% das famílias do país, em abril passado, para 29,1%, em 2023. No mesmo período, pela ótica das empresas, de acordo com levantamento feito pela Serasa Experian, a soma total das dívidas de Pessoas Jurídicas chegou em 117,5 bilhões de reais, o maior patamar já registrado desde 2016, atingindo a quantidade recorde de 6,5 milhões de negócios. Esses resultados corroboram com o aumento de 189,0% nas indenizações pagas pelos seguros de crédito em abril, com aproximadamente 180,9 milhões de reais, e o crescimento de 28,3% na arrecadação, com mais de 174,6 milhões. (Fonte: Assessoria de Imprensa)

Compartilhe

Notícias relacionadas

TOP 6
CMN e BC aprovam medidas para amenizar os efeitos da calamidade pública no RS
O Banco Central monitorará continuamente o funcionamento da intermediação financeira na regiãoEm reunião extraordinária no...
TOP 6
Competição voltada às tecnologias para finanças sustentáveis abre inscrições
Quinta edição do G20 TechSprint foi lançada pelo Banco Central (BC) e o Centro de...
TOP 6
Celcoin adquire startup especializada em regulação bancária e fiscal
Reg+ representa a quarta aquisição em dois anos, e reforça o investimento da empresa em...
TOP 6
Programa Celular Seguro é desconhecido por 40% da população, aponta pesquisa
Levantamento encomendado pela Febraban mostra que 29% dos entrevistados não estão interessados na plataformaAté o...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top