nota1

95% das fintechs brasileiras esperam aumentar receitas em 2018

Por Edilma Rodrigues

A Pesquisa FinTech Deep Dive 2018, feita pela Associação Brasileira de Fintechs (AB Fintechs) e pela consultoria PwC Brasil, divulgada esta semana, registrou otimismo das startups financeiras. 95% dos 224 fundadores de empresas brasileiras de tecnologia financeira ouvidos esperam aumentar suas receitas neste ano. Destes, 67% estimam ampliar a renda bruta em mais de 30% em relação ao ano anterior e 28% preveem crescimento entre 1% e 30% em 2018. “O otimismo do setor é ainda maior se levarmos em conta que metade das empresas espera alcançar o break-even point (ponto de igualdade entre receitas e despesas) ainda este ano, enquanto outras 36% têm expectativa de alcançá-lo até 2020,” informa a nota à imprensa.

A conclusão da pesquisa é que a concentração de serviços nas mãos de poucas instituições financeiras, o spread bancário elevado, a expectativa de normas regulatórias que estimulem maior competição e o perfil diferenciado dos empreendedores fazem o Brasil especialmente atraente para fintechs que ofereçam soluções inovadoras e investidores que queiram apoiar esta disrupção.

“Esta expectativa de crescimento das empresas do setor apontada pela pesquisa mostra que a população dá sinais de interesse por soluções tecnológicas inovadoras na hora de investir o dinheiro ou pagar as contas”, afirma o sócio da PwC Brasil, Luís Ruivo.

Para atingir as expectativas de crescimento, um dos métodos buscados por essas fintechs é o investimento financeiro: cerca de dois terços delas esperam fazer captações em 2018 e 90% das empresas que sinalizaram isso esperam receber mais de R$ 1 milhão. O grau de investimentos que as fintechs receberam também foi levantado no estudo: 40% delas captaram, desde sua fundação, aportes inferiores a R$ 1 milhão, enquanto 29% ficaram em um patamar entre R$ 1 milhão e R$ 5 milhões.

Recursos humanos é desafio das fintechs

A pesquisa também levantou alguns dos principais entraves para potencializar ainda mais seus lucros. Metade das fintechs que participaram apontam que atrair profissionais qualificados é o principal obstáculo, seguido por alcançar escala necessária para operações (apontada como problema por 42% das empresas), conseguir visibilidade (34%) e obtenção de investimento (29%).

“Levando em conta que conseguir profissionais qualificados é uma dificuldade de praticamente todas as áreas, a falta de visibilidade é um problema peculiar das fintechs, já que uma grande fatia da população ainda não conhece seus principais serviços. Isso explica porque este setor ainda tem um impacto limitado na economia e abaixo do potencial. O foco das fintechs deve ser para que os consumidores conheçam e comprem seus serviços”, afirma o presidente da ABFintechs, Rodrigo Soeiro.

O comunicado à imprensa informa que há ainda necessidade de se reinventar cada vez mais na área tecnológica. Ferramentas que eram sensação no passado se tornaram commodities atualmente e são dominadas pelas fintechs, como serviços de nuvem e mobile. A pesquisa mostrou que 19% das empresas do setor pretendem dominar no futuro a inteligência artificial, enquanto 16% querem o mesmo com blockchain e 13% com data analytics.

América Latina é foco de expansão internacional

Os países latino-americanos são os principais alvos de expansão das fintechs que desejam expandir seus serviços para fora. A Argentina é líder de interesse, respondida por 55% das fintechs na pesquisa. O Chile é o segundo da lista, citado por 38% das empresas, EUA (34%) e México e Colômbia (26%). Outros vizinhos citados foram Peru (14%), Uruguai (10%) e Paraguai (6%). Fora das Américas, Portugal foi citado por 16% das empresas, Espanha por 8% e Índia e China tiveram 5% citações cada

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhe

Notícias relacionadas

Blog
Mudança na natureza jurídica da ANPD fortalece aplicação da LGPD
Por Edilma Rodrigues A Medida Provisória (MPV) nº 1.124, de 13 de junho de 2022 assinada pelo...
Blog
Mercado Pago usa tecnologia de segurança da Mastercard para criptos
A carteira digital do Mercado Livre, o Mercado Pago, vai usar
Blog
Ant Group lança banco digital para micro, pequenas e médias empresas em Singapura
O ANEXT Bank, banco digital de atacado de Singapura e parte do Ant Group, anunciou...
Blog
Cetelem vai reduzir 6 mil toneladas de CO² com emissão de cartões reciclados
O Banco Cetelem Brasil emitiu cerca de 370 mil cartões de plástico reciclado, desde o...

Assine o CANTAnews

Não perca a oportunidade de saber todas as atualizações do mercado, diretamente no seu e-mail

plugins premium WordPress
Scroll to Top