RTM e Monkey fecham parceria para oferecer crédito a PMEs


A RTM anuncia parceria com a fintech Monkey. Pelo acordo a empresa passa a prover a seus 500 clientes, majoritariamente bancos e intermediários financeiros, plataforma de negociação de recebíveis, que vai democratizar a oferta de crédito para pequenas e médias empresas. Segundo comunicado da companhia, a parceria prevê a venda da plataforma da Monkey, pela RTM, para um número mínimo de instituições financeiras em troca de uma participação minoritária no capital da fintech de crédito. O Banco Pine foi o primeiro a adotar a tecnologia.

O diretor geral da RTM, André Mello, explica que a parceria é fruto do programa de inovação Desafio RTM, lançado em 2016, que contou com a participação de 53 startups e resultou na aliança com a Monkey, que beneficia pequenas e médias empresas com uma nova opção de fonte de recurso financeiro.

O comunicado à imprensa esclarece que a Monkey nasceu para dar financiamento mais barato e em maior volume à cadeia de fornecedores de grandes empresas. Sua tecnologia permite antecipar títulos de recebíveis, numa espécie de leilão, a uma taxa de juros muito semelhante à das grandes empresas para as quais fornecem seus produtos e serviços. Vale acrescentar que a fintech, em seu site, informa que sua plataforma aproxima compradores, que encontram os melhores recebíveis, fornecedores, que conseguem melhores condições de venda e patrocinadores.

Com o acordo, a fintech expande seu mercado e ganha musculatura; e os bancos, acesso a um ambiente seguro e escalável de negociação. Por ser online, a plataforma permite que as instituições financeiras digitalizem esse produto.  “Os investidores, do outro lado do balcão digital, não enxergam quem está vendendo. Eles precificam e compram o risco das grandes empresas, em um ambiente mais formal. Por isso a taxa cai”, explica o sócio-fundador da Monkey, Gustavo Muller. “Quando os bancos começarem a utilizar nossa plataforma, todos ganham. Como todo o processo é digital, os custos naturalmente vão cair, barateando, por sua vez, a taxa de juros cobrada dos pequenos e médios,” acrescenta Muller.

Vale mencionar que a Rede de Telecomunicações para o Mercado Financeiro – RTM, controlada pela ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) e pela B3 (Brasil, Bolsa, Balcão – junção da BM&F Bovespa e da Cetip), provê serviços para integração do mercado financeiro, em 17 estados brasileiros. E a startup financeira Monkey foi criada em julho de 2017 por Gustavo Muller e Bruno Oliveira, tendo como investidores a Wayra Telefonica e Marcelo Maisonnave.


Fique atualizado em relação as principais notícias do setor. Inscreva-se na Newsletter e nos acompanhe nas Redes Sociais (Facebook, Linkedin e Twitter).