Michael Gilroy: todas as grandes marcas se tornarão fintechs


Todas as grandes marcas se tornarão fintechs. Desde 2016, a equipe de fintech da Canaan vem perseguindo e desenvolvendo essa tese. Acreditamos que o futuro dos relacionamentos com produtos financeiros será de propriedade de empresas que oferecem serviços financeiros como um recurso secundário de sua oferta principal. Exemplos hoje incluem Square, Shopify, Amazon, Uber e Lyft.

Existem várias empresas que notadamente lançam produtos financeiros muito mais cedo em seu ciclo de vida: Brex, Divvy, ScaleFactor, Pleo e Spendesk. Além disso, vemos fintechs que criaram marcas reorganizando serviços financeiros para se tornarem um one-stop shop: SoFi, Robinhood, Revolut, Wealthfront, Acorns e Moneylion.

O lado da demanda dessa equação está mudando, mas o lado da oferta não foi equipado com as ferramentas certas para dar suporte a esse mercado florescente.

Há um grande número de bancos regionais empreendedores que focam nesse horizonte e trabalham para subsidiar esse esforço nos últimos cinco a dez anos. Esses bancos incluem entre outros: Celtic, Sutton, WebBank, Coastal, Bancorp, Stride, Lincoln, Eaglebank, First Tennessee, TriState Capital Bank, Wex e Evolve.

Todos eles entendem a oportunidade de firmar parcerias com marcas e fintechs, a fim de estender produtos financeiros a seus usuários finais. No entanto, até o momento, não apareceu uma plataforma de software eficaz criada para prover o tecido técnico que faça essa conexão de maneira eficiente, escalável e compatível. A resposta desses bancos foi capacitar colaboradores de forma linear com as parcerias com marcas, o que é uma solução temporária. Acrescenta a Bond Financial Technologies.

Tendo ouvido constantes frustrações de marcas, fintechs e bancos regionais com as soluções existentes no mercado, decidi sair e recrutar uma equipe de classe mundial para resolver o problema.

Conheci o cofundador e CEO da Bond, Roy Ng, no início deste ano e fiquei instantaneamente impressionado com sua experiência, senso de urgência e paixão por softwares corporativos e plataformas lideradas por desenvolvedores. Mesmo com um histórico que inclui Goldman Sachs, SuccessFactors, Twilio e Mapbox, seu atributo mais impressionante é que ele também é um ex-aluno da UC Berkeley – Go Bears!2

Lancei para Roy minha tese e esta oportunidade e perguntei se ele as aceitaria como sua próxima aventura com startups. No dia seguinte, Roy me enviou um link para o cartão de crédito da Apple, emitido pelo Goldman – e partimos para essa aventura!

Nos meses seguintes, atacamos a estratégia de produtos e conversamos com bancos e fintechs para entender completamente a profundidade dos problemas que enfrentam. Recrutamos os cofundadores da Bond, Matthew Bradley e Yan Wu, que têm profundo conhecimento em IA responsiva, ciência de dados e aplicação dessas tecnologias no desenvolvimento de uma plataforma de nível empresarial, com total compatibilidade de empilhamento (full-stack and compliant-first)3.

Hoje4, estou emocionado em anunciar nossa5 parceria com Roy, Matt e Yan e a formação da Bond. Lideramos uma rodada inicial de US$ 10 milhões com a participação de Coatue, liderada pelo cofundador Thomas Laffont e vários investidores anjos com experiência em fintechs, software corporativo e bancário, incluindo Sarah Friar, Steve Frieberg, Ryan Peterson e Eric Yuan, entre outros.

Todos nós e a equipe fundadora da Bond acreditamos que o ritmo da inovação da fintech só vai acelerar – mas, com a plataforma certa para desenvolvedores – podemos realmente expandir esse mercado de forma escalável e compatível.

Fonte: Canaan

Michael Gilroy investe em empreendedores que constroem empresas de software e fintechs. Ele fundou o Fintech Central de Canaan em 2015 e recebeu um B.A. (Bacharel of Arts) em Economia pela Universidade da Califórnia, Berkeley.

N.T. Go Bears! é o grito de guerra da UC Berkeley

3 N.T. De acordo com o portal IGTI, “o termo full stack vem sendo bastante utilizado nos últimos anos como uma forma de definir um tipo de desenvolvedor. O próprio nome já dá uma ideia do que este desenvolvedor faz, pois a palavra full significa completo e stack pilha. Ou seja, trata-se de um profissional capaz de trabalhar com toda a stack de desenvolvimento de uma aplicação. Algumas pessoas caracterizam um desenvolvedor como full stack caso ele trabalhe com o front-end e com o back-end, já outros consideram um desenvolvedor como fullstack caso ele consiga atuar não somente no front e no back-end, mas sim em todas as etapas e partes do desenvolvimento, como o banco de dados e servidor.”

4 Texto publicado em 27 de agosto de 2019

Canaan é uma empresa de capital de risco em estágio inicial que investe em visionários com ideias transformadoras.

Tradução e adaptação: Edilma Rodrigues


Fique atualizado em relação as principais notícias do setor. Inscreva-se na Newsletter e nos acompanhe nas Redes Sociais (Facebook, Linkedin, Twitter e Instagram).