Entenda os benefícios e as vantagens que um digital bank próprio pode trazer para o seu negócio


Por Rafael Pimenta*

Curiosamente a palavra banco surgiu no período renascentista, mais especificamente na cidade italiana de Florença, quando os banqueiros judeus usavam o termo para designar as mesas onde eram feitas as transações monetárias. Desde então, seu significado se tornou algo imensurável. Grandes agências bancárias tomaram forma pelo mundo e a administração do dinheiro ganhou extrema abrangência, sistema este que continua em constante transformação.

De acordo com pesquisas realizadas pela FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos – o setor bancário nacional investiu 41,3 bilhões de dólares em tecnologias para a implementação de novas ferramentas. No entanto, não são apenas os usuários finais que podem se beneficiar com todo esse avanço tecnológico que está acontecendo. Empresas ainda tendem a ter uma grande dependência do sistema financeiro fornecido pelas instituições bancárias tradicionais, não só em relação às transações externas, mas dentro do próprio negócio pode haver gastos excessivos. 

Sendo assim, uma excelente opção de investimento para empresas de grande porte, franquias, varejos e, até mesmo, para celebridades que querem usar seu nome como marca independente são os bancos digitais próprios. Lembrando que esse sistema funciona apenas se uma quantidade considerável de clientes mantiver suas contas ativas, uma das principais vantagens de contratar um serviço qualificado para essa implementação é a disponibilidade de ferramentas que ajudam justamente a atrair pessoas para o seu banco, chamamos de “love market”.

Além disso, existem diversas vantagens que podem beneficiar tanto a empresa, quanto os funcionários, como utilizar tecnologias para prover serviços de recargas em geral (celular, jogos e tv pré-paga), até integrações com players consolidados para passagens aéreas, seguros, táxis e grandes marketplaces de varejo. Todas essas opções impulsionadas pela garantia de cashback de cada transação financeira, agora não fazem mais efeito às recompensas apenas. 

Existem centenas de funções exclusivas e experiências que garantem a fidelidade dos correntistas quando o assunto é “quem quero que guarde meu dinheiro”. Desta forma, nasceram novos programas de fidelidade com retorno real em dinheiro para seus usuários. Parcerias para cross selling de experiências entre empresas e mercados de nicho que desenvolvem soluções financeiras também é um dos benefícios que garantem a permanência nos novos e crescentes digital banks.

Para marcas que oferecem produtos e serviços em larga escala, uma outro forma de aproveitar o sistema é usando máquinas próprias de POS, que podem ser gerenciadas com taxas definidas pelo próprio empresário que passa a ser uma adquirência, reduzindo até 4% sobre as taxas praticadas no mercado. Além disso, os cartões estão cada vez mais universais, podendo ter até dezesseis funcionalidade em um único item como, por exemplo, cartão de crédito, débito, vale transporte, combustível, pré-pago e muito mais.

Estas e outras vantagens mostram como é possível contornar de um jeito seguro os custos bancários, abrindo as portas para o novo modelo que está sendo inserido no mercado: os bancos digitais de nicho.

* Rafael Pimenta é Board Member de nove empresas inovadoras em diversos setores; Founder na RedLions Capital e coCEO na BTX Digital, grupo americano especializado em “rebancarização” de mercados por meio do lançamento e operacionalização de bancos digitais de nicho para empresas do middle market.


Fique atualizado em relação as principais notícias do setor. Inscreva-se na Newsletter e nos acompanhe nas Redes Sociais (Facebook, Linkedin, Twitter e Instagram).