Desafio para varejistas europeus é criar plataforma de pagamento aberta


Na última década, as tecnologias sem contato, dispositivos e internet móveis, sempre conectados, alteraram significativamente a maneira como os consumidores avaliam sua experiência de compra. O relatório The Challenge for Retailers – Building an Open Payment Platform, joint venture entre a PCM Research, braço de pesquisa interna da Payments Cards e a Mobile and HPS, fornecedor de soluções de pagamento, aponta que os consumidores também buscam total simplicidade, o que leva lojistas a definirem novas experiências para os usuário, transações sem atrito e opções omnichannel como chave para atender a essa demanda.

Segundo o relatório, varejistas e switches nacionais e regionais em todo o mundo, procuraram entender os pontos fracos dos varejistas com suas plataformas de pagamentos existentes e o que eles buscam em termos de omnichannel, serviços multicanais para suportar um ecossistema aberto de pagamentos do varejo.

nota1_extra1

Há alguns anos, vimos lojistas começarem a emitir seus próprios cartões [private label ou co-branded], além de cartões de fidelidade, para que pudessem controlar melhor seus custos de pagamento eletrônico, mas também procurando fortalecer o relacionamento com seus clientes.

Mais recentemente, esses comerciantes começaram a configurar suas próprias plataformas de pagamento para se adaptar à jornada do cliente em constante evolução e aumentar continuamente os meios disponibilizados, sempre em busca de melhorar a experiência e o conhecimento sobre o cliente.

O relatório destaca os desafios enfrentados por esses varejistas, bem como quantifica os benefícios da construção de uma plataforma aberta de pagamento.

Ambientes de pagamento separados

Como outros sistemas internos de TI usados por varejistas, os pagamentos POS em outlets e pagamentos para compras online foram processados em canais completamente separados. Mais que isso, além das plataformas e da aceitação de pagamento serem separadas, as estratégias, por canais e por país, são todas atendidos por diferentes adquirentes.

Pagamentos com cartões ainda dominam

Pagamentos com cartão em pontos de venda e os pagamentos com cartão não presente (Card Not Present – CNP), para transações móveis e online, foram identificados como dois canais separados com diferentes soluções de segurança e de autenticação – e obrigações diferentes para o varejista.

Até o momento, os cartões não apenas dominaram os pagamentos POS, mas, em muitos mercados, eles têm sido o principal meio de pagamento online. Além disso, comerciantes aceitam meios tradicionais: pós-compra em lojas online e em estabelecimentos: pagamento na fatura, dinheiro e cartão com entrega (cash-on-delivery, card-on-delivery), pagamento adiantado, compra online com pagamento e entrega na loja e compras parceladas.

No entanto, impulsionado por novas demandas do consumidor, inovação tecnológica e à luz dos novos aplicativos de pagamento do Open Banking, o cenário de pagamentos para os varejistas europeus está em um processo de transformação dramático.

Pagamentos sem cartão

Paralelamente aos cartões, os pagamentos bancários baseados em IBAN, diretos de contas bancárias e carteiras online (por exemplo, PayPal) desempenham um papel cada vez mais significativo no espaço de e-commerce B2C. Além disso, tecnologias como a NFC, códigos de barras 1D, QRcodes ou BLE permitirão que qualquer serviço de pagamento sem cartão seja aceito nos terminais POS e em qualquer outro tipo de checkout.

Em 2018, os serviços de pagamento sem dinheiro, para a maioria dos varejistas europeus, incluem cartões sem contato e formulários, transferências de crédito, débitos diretos e produtos pré-pagos. Em muitas instâncias, esses tipos de pagamento são aplicados apenas a casos de uso específicos e a tipos de checkout.

Em paralelo, os sistemas de cartões lançaram carteiras digitais e novos níveis de segurança como o 3D-Secure 2.0 e tokenização de credenciais de cartões, com o objetivo de combater fraudes, ao remover dados estáticos de sistemas varejistas.

A partir do final de 2017, os serviços de pagamento imediato, como a transferência instantânea de crédito SEPA, SCTINST) também são novos serviços de pagamento sem dinheiro, relevantes para o comerciante individual e seus checkouts.

Além disso, cada vez mais consumidores esperam ter suas opções de serviço de pagamento preferidas disponíveis no ambiente omnichannel, independentemente do tipo de ponto de contato de quem eles querem comprar. Baseado nas tecnologias existentes hoje, os consumidores conectados acreditam que a médio prazo todos os serviços de pagamento relevantes para eles podem ser usados omnichannel, incluindo serviços de pagamento sem cartão e além de cartões.

A fim de atender à demanda do consumidor por uma experiência de pagamento conveniente, os varejistas precisam combinar todos os canais de checkout, para permitir ambos compras e pagamentos. Uma nova abordagem de pagamento múltiplo visa permitir que os clientes pesquisem, comprem e paguem sem problemas vários tipos de checkout.

Entre outros, incluem pagamentos baseados em aplicativos em carteiras, pagamentos bancários de aplicativos diretamente do banco contas, início de pagamento ativado por pagamento prestadores de serviços de iniciação (PISPs) ou varejistas, transferências de dinheiro móvel de pessoa-pessoa, pagamento sem contato na loja via NFC, códigos de barras 1D ou códigos QR, fatura pagamentos em pontos de venda e adiantamentos em dinheiro em lojas de varejo (sacar na loja).

Onde isso é alcançado, os varejistas reconhecem o valor de ter pagamentos com cartão combinados com opções de pagamento emergentes para os consumidores – idealmente em todos os pontos de contato do consumidor e todos os tipos de checkout de varejo.

Fornecer uma experiência consistente de compras omnichannel envolve inicialmente o desenvolvimento de pontos tokenizados de aceitação por todos os canais. A tokenização permite que os varejistas aceitem tipos de pagamento digitais e formas sem contato como adesivos NFC, pagamentos HCE NFC móveis, wearables, Apple Pay, Samsung Pay, Android Pay e carteiras digitais, sem ter que armazenar credenciais de cartões sensíveis ou dados da conta bancária em seus sistemas.

O relatório complete está disponível no link.

Fonte: Payment Cards and Mobile

Tradução e adaptação: Edilma Rodrigues


Fique atualizado em relação as principais notícias do setor. Inscreva-se na Newsletter e nos acompanhe nas Redes Sociais (Facebook, Linkedin e Twitter).